07
jan
10

Férias e atualização

O CINESURPRESA está de férias! Depois de mais de 2 anos sem interrupções daremos uma pequena parada para remodelações

Estaremos de volta no dia 14 de março, 2º domingo do mês, para ver um filme surpresa e, como sempre, entre 18h/19h

Mais detalhes sobre o cinema e horário exato mais para frente aqui mesmo no nosso site atual, que será remodelado inclusive com novo endereço e novidades, mas ainda estaremos por aqui por algum tempo.

Aproveitando…

• Caso deseje que altere o seu endereço de e-mail me mande seu e-mail novo ok!

• Caso queira se cadastrar em nosso mailing também me mande seu e-mail por aqui! e também se quiser indicar alguém para receber nossas atualizações fique a vontade.

no mais… um grande 2010 para todos e aguardo vcs em março

Márcia Okida

Anúncios
10
out
09

Uma Prova de Amor

Nosso 25º encontro do CINESURPRESA foi no Cinemark Santos e com gente nova aparecendo: Aline, Eloane, Lucas e Rodiney. Ao todo tivemos um grupo de 10 pessoas. Entre os que já estiveram nos nossos encontros foram: Bruna, Eduardo, Deborah, Jurandir, Ricardo e eu.
O filme escolhido, o mais votado entre os participantes foi Uma Prova de Amor, que que teve uma nota média de 8,45 colocando-o em 8º lugar no nosso ranking surpresa (veja na coluna da direita). O filme tem um título que engana, já que foi fácil perceber que muitos que foram ver achavam que o filme se tratava de uma comédia romântica.
Mas não é. Uma Prova de Amor é um drama forte, sensível e que fez todas as mulheres presentes no nosso encontro chorarem muito e alguns homens também.
Um filme que faz pensar sobre a importância de ajudar ao próximo — mesmo quando essa ajuda significa não ajudar — faz pensar sobre a vida e a morte. Não vou falar muito do filme, as frases dos nossos participantes abaixo já dizem bastante.
A seguir as opiniões se gostaram, suas notas, se veriam novamente e uma frase sobre o filme.
Aline • gostei • minha nota: 9,5 • não veria novamente • “para e pense antes de qualquer atitude, pois existem pessoas com problemas piores que o seu e são felizes”
Bruna • gostei • minha nota: 8 • veria novamente • “forças para superar as dificuldades da vida”
Deborah • gostei • minha nota: 9 • veria novamente • “ por amor, as pessoas ficam cegas por medo de sofrerem”
Eduardo • gostei • minha nota: 8,5 • veria novamente • “a vida esta em cada momento”
Eloane • gostei • minha nota: 9 • veria novamente • “é um filme que nos faz pensar sobre as escolhas da vida e até que ponto o que parece certo realmente é o melhor”
Jurandir • gostei • minha nota: 9 • veria novamente • “o amor de uma mãe é capaz de fazer com que ela tome atitudes questionáveis entre o que é certo e errado”
Lucas • gostei • minha nota: 6 • veria novamente • “uma reflexão interessante sobre as escolhas e como elas afetam as vidas daqueles que estão a nossa volta”
Ricardo • gostei • minha nota: 9,5 • veria novamente • “não existe família genuinamente feliz, todas as pessoas possuem rachaduras amargas embaixo da pele”
Rodiney • gostei • minha nota: 7 • não veria de novo • “realista”

Eu gostei do filme, minha nota: 9, não veria novamente, eu acho, a não ser se estivesse passando na TV, mas mesmo assim, acho que não — é muito triste . Minha frase seria uma bem conhecida: o essencial é invisível aos olhos… e acrescento: devemos aprender a olhar as pessoas com os olhos da alma, devemos aprender a dar, receber, repartir, ganhar e principalmente perder e se deixar perder.
Prova de Amor é um filme que trata de tudo isso, da relação em família, do amor incondicional entre mãe e filhos, de doação, de separação e sobre um aprendizado bastante difícil: o de aprender a amar. E usando um momento do filme — quem viu irá entender melhor — nesse amor que falo acima, às vezes é preciso deixar que a pessoa que amamos vá embora, pegue um ônibus, parta, mas sabendo que quando olhar para janela estaremos ali amparando a sua partida com um sorriso nos lábios e leveza na alma. E esse é o aprendizado difícil do amor sem apego e sem egoísmo, capaz de entender que o que é melhor para o ser amado pode não ser o melhor para nós mesmos.
E nesse filme o que cada um dos participantes achou melhor, pior, qual figurino mais gostou e com que personagem se identificou.
Aline • o melhor: sorriso • o pior: saudade! • figurino: o vestido da festa de formatura do hospital • me identifiquei com: com a mãe Sara, porque se mostra muito forte e que daria a vida para salvar a filha.
Bruna • o melhor: a força do amor que é passado no filme • o pior: a temática ser muito triste • figurino: dos personagens em geral, pois são figurinos modernos e descolados • me identifiquei com: ninguém.
Deborah • o melhor: a abertura e a cena final com o livro de memórias da vida de Kate • o pior: a atuação da irmã de Cameron Diaz • figurino: • me identifiquei com: Jesse
Eduardo • o melhor: as luzes da cidade no caminhar de Jesse • o pior: alguns momentos com sentimentos exagerados • figurino: do Taylor • me identifiquei com: Jesse (irmão de Kate)
Eloane • o melhor: a mensagem que o filme passa • o pior: ele (o filme) acaba se alongando em momentos que não seria necessário • figurino: o figurino de Kate quando sai com Taylor porque transmite muito bem a personalidade dela • me identifiquei com: ninguém
Jurandir • o melhor: a felicidade, quando estamos juntos de pessoas que gostamos • o pior: a morte de alguém querido • figurino: o de Jesse, um figurino mais do dia-a-dia • me identifiquei com: com ninguém.
Lucas • não respondeu nenhuma das perguntas.
Ricardo • o melhor: a emoção crescente do filme • o pior: a Cameron Diaz • figurino: todos, são atuais • me identifiquei com: com todos da família, todos que contribuem para a sobrevivência da menina.
Rodiney • o melhor: a idéia do álbum de imagens • o pior: forçada de barra na cena final da praia • figurino: do Taylor, porque é marcante e contrastante com o personagem • me identifiquei com: com o garoto, pois tenho que me virar como ele.

O melhor para mim é a temática, a discussão do assunto, tecnicamente falando a fotografia e a ambientação de um modo geral que conseguem realmente criar um clima de tristeza bem forte. O pior acho que é esse excesso de drama, às vezes é um pouco demais, uma pitada a menos de tristeza não faria mal ao filme, tecnicamente falando o ritmo a edição poderia ter uma variação maior e não ser tão monocórdica. Quanto a figurino fico o de Kate, que reflete bem sua personalidade e a diversidade de sentimentos pelos quais a personagem atravessa. Identifico-me com a própria Kate que teve que aprender a lidar com a morte mesmo não querendo e com isso aprendeu a lidar com a vida e como aceitar as adversidades de sua existência.
Não posso deixar de falar dos belos créditos de abertura que são de uma singeleza, beleza e rirmos perfeitos e que se tornam essenciais quando percebemos de onde eles vem: do livro de memórias de Kate.
Para terminar uma cena do filme
Aline: o momento em que a paciente (a Kate) conversa com sua mãe, fazendo que ela entenda que vai ser mais feliz com a morte, pois estava sofrendo muito.
Bruna: quando a mãe de Kate raspa o cabelo para ficar como sua filha.
Deborah: a cena da praia, gaivotas e a Kate olhando o mar.
Eduardo: Jesse pela cidade.
Eloane: a cena das bolinhas de sabão, que transmite toda a beleza da relação familiar.
Jurandir: quando eles estão na praia “comemorando” o aniversário da Kate.
Lucas: gostei de ver a Anna e seu pai “se refugiando” no quartel dos bombeiros como uma válvula de escape e tendo bons momentos.
Ricardo: a cena entre mãe e filha vendo o álbum de fotos contando a trajetória de sua vida. Tocante!!! Chorei muito!
Rodiney: a última quando a menina conforta a mãe.
A minha cena é uma das últimas do filme e que tem relação sobre o que disse mais acima, sobre partir e ao olhar para trás poder ver quem amamos nesta despedida. A cena é em câmera alta mostrando a cama do hospital com mãe e filha abraçadas e deitadas na cama, quando Kate diz para mãe que naquele momento ela esta sentada na janela do ônibus que está partindo e olha para trás para ver a mãe.
Bem é isso aí, espero você em algum dos nossos encontros do CINESURPRESA.

04
ago
09

era do gelo 3



Antes de começar a falar do nosso último encontro, já faço um convite: venha comemorar o nosso 2º aniversário comendo um pedaço de bolo com a gente, depois de escolher e assistir  um filme que esteja passando entre 19h e 20h neste domingo, dia dos pais, 9 de agosto às 19h, em ponto, no Cine Roxy (Santos). Até lá!


cartazeradogeloNosso 23º Cinesurpresa foi uma escolha unânime: A Era do Gelo 3 que foi escolhido pelos nossos 8 participantes: André Hermes, Beatriz França, Deborah Okida, Eduardo Ricci, Guilherme Araújo, Thiago Bartolloto, Vanessa Ruas e por mim, Márcia Okida. A nota dada para Era do Gelo foi de 8,6 e que o coloca em 7º lugar empatado com Piaf e Milk em nosso ranking (veja em nosso quadro ao lado).  De todos os participantes somente a Vanessa disse que não veria novamente, o Thiago disse que só em casa e o André somente na versão 3D.


Não vimos a versão em 3D do filme, mas mesmo que fosse, não acredito que este seja o melhor filme da série. Acho que é melhor em design, na qualidade dos gráficos, imagens, cenografia, ambientação, mas não pela história.
Sou fã da Era do Gelo e adoro o filme de qualquer modo, aliás adoro animação, mas ainda acho que a melhor animação dos últimos tempos é Wall-E que é, inclusive, o nosso único 10 do Cinesurpresa. Veria esse filme novamente mas também só m casa. O melhor do filme acho que já disse acima assim como o que acho de pior a falta de uma história melhor, achei essa uniforme demais e com muitos personagens sem tanta necessidade disso. E a minha melhor cena seria a seqüência do Sid com “seus 3 filhos” enquanto ainda eram ovos.

Vamos a opinião dos nossos participantes:


andre por guilherme

andré por guilherme

André

o melhor: os efeitos • o pior: algumas coisas que falam no filme é pesado demais para crianças • uma cena: a perseguição aérea com os dinossauros.


beatriz por marcia

beatriz por marcia

Beatriz

o melhor: o Buck, simplesmente engraçado e a floresta dos dinossauros • o pior: nada • uma cena: a cena com a planta carnívora e o Sid cuidando dos 3 ovos.


deborah por eduardo

deborah por eduardo

Deborah

o melhor: a amizade dos animais, mostrando a questão da diversidade e a parte visual toda • o pior: • uma cena: os esquilos dançando tango.


eduardo por deborah

eduardo por deborah

Eduardo

o melhor: a corrida do Sid em busca de seus filhos ovos • o pior: nada • uma cena: quando eles chegam ao vale perdido.


guilherme por andre

guilherme por andre

Guilherme

o melhor: a inserção da doninha Buck, que roubou a cena até mesmo dos protagonistas • o pior: o filme tem muitos personagens e nem todos são importantes para a história • uma cena: quando Buck encontra uma carcaça e um brócolis e tenta deduzir o que ocorrera.


thiago por vanessa

thiago por vanessa

Thiago

o melhor: Sid com os bebês Iabadabadu!!!! • o pior: uma história melhor seria mais adequado • uma cena: o tigre brigando.


vanessa por thiago

vanessa por thiago

Vanessa

o melhor: o Buck montado em um pássaro • o pior: quando o Buck disse que transformaria o dinossauro em traveco. Achei um absurdo pois o filme é mais para as crianças • uma cena: o momento em que Amora esta nascendo.



era do gelo 3


Concordo com alguns acima quando falam que tem coisas pesadas para crianças acho que esse é o filme da série que tem menos cara de infantil, não estou dizendo que não é para crianças, mas que algumas falas e associações não deveriam ser usadas para crianças. Em compensação os temas diversidade, inclusão, respeito pelas diferenças são bem usados e passados para o público infantil.
Temos duas perguntas que deste vez fez o pessoal se perder um pouco: com que se indentificou e qual o melhor figurino.
Bem eu me identifico com o Sid, e quem me conhece, entenderia o porque :))) meio atrapalhado, desligado, sem noção principalmente do perigo e foi capaz de criar 3 ovos de dinossauro… isso é a minha cara. E o figurino, mudamos para melhor design de personagem e eu gostei mais da Amora, a bebê mamute, conseguiram fazer com que uma mamute parecesse uma gatinha de tão fofa e leve. E a minha frase seria mais palavras: aceitação, amizade, respeito e diversidade.

era do gelo 1


E para nossos participantes:


André • me identifico com: ninguém •  melhor figurino/design de personagem: Scrat, pois é o melhor personagem • uma frase: ótima computação gráfica.
Beatriz • me identifico com: a mamute Ellie •  melhor figurino/design de personagem: o tapa olho de Buck / os 3 dinossauros filhotes • uma frase: um filme alegre e divertido.
Deborah • me identifico com: ninguém •  melhor figurino/design de personagem: o design de Amora a mamute bebê • uma frase: não abrir mão de nossas amizades.
Eduardo • me identifico com: Diego, o Tigre •  melhor figurino/design de personagem: a pelagem do mamute • uma frase: vivemos num oceano de possibilidades.
Guilherme • me identifico com: o esquilo Scrat. Ele queria duas coisas e não ficou com nenhuma •  melhor figurino/design de personagem: a mamute Ellie. É difícil fazer pelos em computação gráfica e essa personagem foi a que teve melhores resultados • uma frase: amigos são aqueles que se arriscam pelos outros.
Thiago • me identifico com: o Tigre Diego, sei lá me identifiquei •  melhor figurino/design de personagem: o casaco do tigre porque é natural de pelo. E o design de personagem: Buck • uma frase: sem dor não tem graça.
Vanessa • me identifico com: ninguém •  melhor figurino/design de personagem: os dinossauros atacando a Ellie porque eles tem cores vibrantes, principalmente os tons de azul • uma frase: em primeiro lugar a família.

era do gelo 2



E assim terminamos o nosso 23º encontro e esperamos você para comemorar o 2º aniversário do Cinesurpresa neste domingo, dia dos pais, 9 de agosto às 19h, no Cine Roxy (Santos) para escolher um filme que esteja passando entre 19 e 20h e depois comer uma fatia de bolo com a gente. Até domingo!

07
jul
09

Mulher Invisível

MIcartazNosso 22º Cinesurpresa contou com a participação de 14 pessoas e o filme escolhido contou com o voto de 12: A Mulher Invisível. Os participantes foram, pela primeira vez em um cinesurpresa: Bruna Varesteiro, Diego Issamo, Jéssica Trindade, José Reis Junior, João Carlos e Luiz Kauffmann que se juntaram aos já veteranos: André Hermes, Danilo Henrique, Deborah Okida, Guilherme Araújo, Juliano Garcia, Jurandir Pereira, Priscila Rodrigues e eu Márcia Okida.

A média de nota dada pelo grupo para Mulher Invisível foi 8 o que deixa Mulher Invisível no 10º lugar de nosso ranking (veja na coluna ao lado).

Mulher Invisível, na minha opinião, é um filme médio e bem médio mesmo. É bem filmado, bem fotografado, bons atores, é correto, mas é uma simples comédia sem grandes artifícios, um roteiro bem comum que até poderia ser melhor se não se alongasse um pouco demais para mostrar o desfecho da história se repetindo demais em vários momentos o que também é um ponto fraco para muitos participantes.
É um filme que, com certeza, se tornará um daqueles filmes que se repetem milhares de vezes na sessão da tarde da Globo. Sua proposta é divertir e ele faz isso de uma maneira simples e descompromissada, fácil de assimilar. É o tipo de filme que costumo dizer que não precisamos levar o cérebro para o cinema, já que ele não será muito usado.
Podemos até tentar achar um gancho mais interessante ou psicológico no filme tentando discutir o fato da solidão acarretar em traumas capazes de fazer você criar um alguém que não exista. É forçar um pouco a barra mas podemos até pensar nisso e por isso até conseguimos fazer uma pergunta específica para este filme: Em que situação você seria capaz de criar um alguém invisível na sua vida e por que? As respostas vocês encontram no final deste texto ou aqui. Bem vamos as opiniões de todos:

MI2


Sua nota • Gostou? Veria de novo? • O Pior e o Melhor • Uma cena.

andré clicado por okida

andré clicado por okida

André

nota 8 • gostou do filme mas não veria novamente • o pior: o final • o melhor: usarem a Luana Piovani para dar um “up” no filme •  uma cena: a hora que ele descobre que a Amanda não existia.

bruna clicada por deborah

bruna clicada por deborah

Bruna

nota 7 • gostou do filme e veria novamente • o pior: prolongaram muito o fina, poderiam ter compactado um pouco, ficou cansativo •  o melhor: a abordagem de um tema diferente e divertido • uma cena: quando Carlos e Pedro se reencontram e Pedro decide ir atrás de Vitória.

danilo clicado por luiz

danilo clicado por luiz

Danilo

nota 8 • gostou do filme e veria novamente (mas não no cinema) • o pior: arrastou muito o final • o melhor: muito engraçado, piadas bem boladas • uma cena: ele no cinema e a senhora reclamando dele.

denorah clicada por bruna

denorah clicada por bruna

Deborah

nota 8 • gostou do filme e veria novamente • o pior: a personagem que se casa com o Wladmir Brichta • o melhor: a atuação de Selton Mello • uma cena: Pedro dançando na boate.

diego clicado jose reis

diego clicado jose reis

Diego

nota 9 • gostou do filme e veria novamente • o pior: alguns erros de continuidade por mostrar as cenas de vários planos • o melhor: Luana Piovani e o Selton Mello por interpretarem também um louco, as falas dos personagens e os enquadramentos • uma cena: o dilema entre Amanda e Pedro quando ele descobre a verdade.

guilherme clicado por jurandir

guilherme clicado por jurandir

Guilherme

nota 7 • gostou do filme e não veria novamente • o pior: a história perde a força várias vezes e nem sempre consegue sustentas com sucesso • o melhor: a comicidade das cenas em que Pedro aparece sem Amanda • uma cena: a conversa entre Pedro e seu melhor amigo quando descobriu que Vitória estava com ele.

jessica clicada por juliano

jessica clicada por juliano

Jéssica

nota 7 • gostou do filme e veria novamente • o pior: o final • o melhor: o tema • uma cena: a do jantar em que ela (Vitória) tem que escolher um dos dois.

jose reis clicado por diego

jose reis clicado por diego

José Reis

nota 8 • gostou do filme e veria novamente • o pior: repetição da história principal no final do filme • o melhor: atuação e sonoplastia • uma cena: a visita de Vitória no hospital e a reação de Pedro, crente que ela é uma alucinação.

joao clicado por priscila

joao clicado por priscila

João Carlos

nota 10 • gostou do filme e veria novamente • o pior: um problema na troca de cena, quando Carlos conta ao Pedro que ele esta sem ninguém • o melhor: Pedro e Amanda curtindo a noite na boate – pista dançando • uma cena: o reencontro de Pedro com Vitória (a busca do par perfeito).

juliano clicado por jessica

juliano clicado por jessica

Juliano

nota 8 • gostou do filme mas não veria novamente • o pior: o desfecho é muito demorado • o melhor: Luana Piovani e a atuação de Selton Mello •  uma cena: a última cena onde ele beija Vitória e a Amanda aparece.

jurandir clicado por guilherme

jurandir clicado por guilherme

Jurandir

nota 9 • gostou do filme e veria novamente • o pior: o filme parecia que ia terminar mas não (por umas 2 vezes) • o melhor: a interpretação de Selton Mello • uma cena: a hora em que Pedro (Selton Mello) está dançando com a mulher invisível.

luiz clicado por danilo

luiz clicado por danilo

Luiz

nota 9 • gostou do filme e veria novamente • o pior: um pouco demorado o final, quando parece que a trama fechou, ela continua várias vezes • o melhor: o enredo e as mudanças de cena, muito criativas sempre • uma cena: quando Pedro se declara para Vitória, num restaurante, com uma rosa vermelha na mão.

priscila clicada por joão

priscila clicada por joão

Priscila

nota 9,5 • gostou do filme e veria novamente • o pior: nada • o melhor: Selton Mello, Vladmir Brichta, a trilha sonora, Luana Piovani e Fernanda Torres • uma cena: a conversa final de Amanda e Pedro, a confiança passada a ele. O olhar de Amanda quando estava desaparecendo.

márcia clicada por andré

márcia clicada por andré

Bem eu acho que já falei um pouco do que achei de bom e de ruim lá em cima e as opiniões dos participantes só reforçam uma coisa que sempre penso: que quando o que temos para falar de bom de um filme é normalmente sobre a atuação de grandes atores, é sinal que o filme em si mesmo, não tem muito para ser falado. Minha nota foi 5 já que achei mediano, pode-se dizer que gostei, mas não veria de novo, nem passando por acaso na Tv. Minha cena: uma logo no início quando aparece Vitória escutando a conversa de Pedro com a esposa e logo depois ela se da conta da vida desgastada que vive com seu marido nada interessante.

Se indentificou com algum personagem? Qual o melhor figurino?

André • me identifiquei com: o marido policial de Vitória, pois ele é sedentário e não investe muito em relacionamentos • melhor figurino: nenhum.
Bruna • me identifiquei com: ninguém • melhor figurino: da irmã de Vitória, Lúcia (Fernanda Torres) por ser mais despojado.
Danilo • me identifiquei com: ninguém • melhor figurino: Luana Piovani pelada.
Deborah • me identifiquei com: Pedro com relação a acreditar no amor • melhor figurino: as lingeries de Amanda (Luana piovani)
Diego • me identifiquei com: sim com o Pedro, por ter um lado inseguro e criativo por imaginar a Amanda e mais pelo jeito dele ser fiel etc. • melhor figurino: da Luana pois ela retrata o ideal feminino, para o público masculino.
Guilherme • me identifiquei com: em alguns pontos com Pedro. As vezes ele agia como ele mesmo, outras vezes ele queria causar uma boa impressão • melhor figurino: não acho que algum figurino mereça muito destaque.
Jéssica • me identifiquei com: ninguém • melhor figurino: da Vitória quando ela bate na porta dele pedindo açúcar.
José Reis • me identifiquei com: ninguém • melhor figurino: nenhum me chamou a atenção exceto  dois vestidos que Amanda usou quando saiu com Pedro.
João Carlos • me identifiquei com: Pedro pelo romantismo • melhor figurino: de Amanda
Juliano • me identifiquei com: ninguém • melhor figurino: nenhum
Jurandir • me identifiquei com: ninguém • melhor figurino: o do Pedro, pois é um figurino normal, que dá para ser usado no dia a dia.
Luiz • me identifiquei com: um pouco com Carlos, amigo de Pedro, pelo companheirismo e vontade de ajudar o amigo, pelo menos no começo • melhor figurino: os vestidos de Amanda, sempre sensual e com cores fortes.
Priscila • me identifiquei com: um pouco da Amanda, pela vivacidade, dedicação e pelo bom humor em algumas cenas — até pela parte “bravinha” • melhor figurino: de Luana Piovani (Amanda)

MI1

Eu não me identifiquei com ninguém e sobre o melhor figurino voto no de Amanda mas se fosse por gosto pessoal ficaria com o de Vitória e alguns vestidos de sua irmã Lúcia (Fernanda Torres). E terminamos com uma frase sobre o filme — a minha é a mesma que a de minha irmã “cada louco com sua mania”. E a pergunta feita especificamente sobre esse filme: O que faria você criar alguém invisível para que convivesse com você? No meu caso acho quase impossível que eu criasse alguém invisível, já falo bastante comigo mesma, sozinha, tenho grandes conversas comigo mesma além de falar muito com meus cachorros. Acho isso uma fuga para enfrentar a realidade, o que não combina em nada comigo, mas nunca se sabe o que pode acontecer com a gente no futuro.

Uma frase sobre A Mulher Invisível

“Filme divertido mais muito simples, esperava mais!” • André
“Eu sou o que você é” • Bruna
“Não existe mulher perfeita” • Danilo
“Cada louco com sua mania”  • Deborah
“A imaginação é a solução das necessidades” • Diego
“Ninguém pode ser feliz sozinho, a felicidade plena só é alcançada através dos relacionamentos com outras pessoas” • Guilherme
“Você faz parte de mim” • Jéssica
“Impressionante e inesperado, para um filme nacional” • José Reis
“Buscar sempre a sua felicidade” • João Carlos
“Um filme com estilo americano, mas com jeito brasileiro” • Juliano
“Eu te faço infeliz, se for para te fazer feliz” • Jurandir
“Aprenda a se amar, para depois amar alguém” • Luiz
“Será que existe mulher/homem ideal??? O é necessário apenas a entrega sem preconceitos” • Priscila

MI3

O que faria você criar alguém invisível para que convivesse com você?

André: se não existisse ninguém no mundo para seu meu amigo, eu inventaria um.
Bruna: eu criaria uma pessoa invisível para conversar comigo em um momento de muita solidão.
Danilo: Esquizofrenia
Diego: o motivo para imaginar uma pessoa seria por problemas sociais pois muitas crianças imaginam um amigo. No meu caso por solidão e insanidade em outras palavras ficar isolado e sozinho num lugar desconhecido.
Guilherme: nenhuma situação me levaria a fazer isso, eu prefiro enfrentar (ou suportar) meus próprios problemas.
Jéssica: eu só criaria uma pessoa em um momento de muita solidão ou se tivesse acontecido alguma tragédia com algum familiar meu.
José Reis: tédio/solidão
João Carlos: uma perda irreparável, todos acham um meio de comunicação com o invisível.
Juliano: solidão extrema
Jurandir: criaria uma pessoa invisível se não tivesse como falar com minha família ou meus amigos.
Luiz: acredito que nada que acontecesse me faria criar uma pessoa invisível, pois aprendia a ser forte e crescer nas dificuldades.
Priscila: me identifiquei com: um pouco da Amanda, pela vivacidade, dedicação e pelo bom humor em algumas cenas — até pela parte “bravinha” • melhor figurino: de Luana Piovani (Amanda)

11
jun
09

Vida Longa e Próspera – Star Trek

startrek11_03O 21º CINESURPRESA foi especial e por pelo menos 2 motivos: muitas pessoas novas participando e pelo filme escolhido que não poderia ter sido melhor: Star Trek (site oficial) . Simplesmente emocionante, principalmente para quem é da geração Star Trek e já acompanhava e gostava desde a série de TV
Quanto aos novos participantes, tivemos pela primeira vez no CINESURPRESA: Aymê Michima, Danilo Henrique, Juliano, Thiago Bartolotto e Vanessa Ruas que se reuniram com os já participantes: André Hermes, Deborah Okida, Eduardo Ricci, Guilherme Nascimento, Madeleine Alves, Ricardo Reis e eu Márcia Okida.
Nosso grupo deu nota 8,9 para o filme o que deixa Star Trek em 5º lugar no nosso Ranking Surpresa, mas com uma ressalva: alguns integrantes deram nota 1000 para o filme — eu sou um deles — o que deixaria Star Trek acima de todos, mas como não computamos notas 1000 ele fica mesmo com a média oficial de 8,9.


Star Trek
é daqueles filmes para ficar na história, principalmente para os fãs. Podemos dizer que é um filme 100% perfeito: roteiro, história, efeitos, sonoplastia — tá certo que faltou a música original —  mas principalmente diálogos inteligentes, perfeitos e daqueles que ficam para sempre.
Star Trek também trás vários questionamentos e pensamentos quanto a vida, morte, passado, futuro… nossa história de vida etc e por isso também fizemos aqui uma pergunta chave, a mais, para todos os participantes e convidamos você também a respondê-la: O que você faria se encontrasse com uma versão mais velha — do futuro — de você mesmo? Veja a resposta de nossos participantes ao final.


Vamos as opiniões sobre o filme:

André: gostou do filme – não veria de novo – nota 9 • Identificou-se com Kirk “pois é uma pessoa com um grande potencial que não conhecia”  • Sua cena: “A última batalha foi bem emocionante”

Aymê: gostou do filme – veria novamente – nota: 8  •  Não se identificou com nenhum personagem  • Sua cena: “era legal quando eles voavam sob a velocidade da luz”

Danilo: gostou do filme – veria novamente – nota 9  • Não se identificou com nenhum personagem  • Sua cena: o homem preso nos tubos de água.

Deborah: gostou do filme – veria novamente – nota 10  • Se identificou com a mãe de Spock por sua conduta única “algo que procuro alcançar”  • Sue cena: O encontro de Kirk jovem com o Spock velho.

Eduardo: gostou do filme – veria novamente “várias vezes” – nota: 1000  •  Se identificou com partes do Spock e de Kirk  • Sua cena: O encontros dos Spock´s

Guilherme: gostou do filme – veria novamente – nota 8  •  Não se identificou com nenhum personagem  • Sua cena: a primeira tentativa de interceptação da escavatriz.

st1

Juliano: gostou do filme – veria novamente – nota: 9  • Identificou-se com Spock “pois ele tem problemas em lidar com emoções e tenta aplicar sempre a lógica”  • Sua cena: discussão entre Kirk e Spock, onde Spock perde o controle

Madeleine: gostou do filme – veria novamente – nota 10  • Identificou-se com Scott “responsável pela teoria do teletransporte, que fica muito empolgado ao descobrir uma nova informação ou expressar alguma emoção/idéia”  •  Sua cena: “as passagens das naves pelo buraco negro e a consumição dos planetas pela substância vermelha (ou seja, buraco negro)

Ricardo: gostou do filme – não veria de novo – nota: 7  •  Se identificou com uma mistura de Spock com Kirk “sou razão e emoção”  •  Sua cena: “todas as cenas de naves”

Thiago: gostou do filme – veria novamente “mas não no cinema” – nota: 9  •  Diz que se identificou com um pouco de cada personagem  •  Sua cena: no início a cena da criança com o carro e a polícia

Vanessa: gostou do filme – veria novamente – nota: 8  •  Identificou-se com Checov “o garoto com sotaque. Porque ele sempre aparece nas horas mais necessárias”  •  Sua cena: “a matéria vermelha chegando ao planeta”




3654Bem eu amei o filme, minha nota é de 1000 para cima e vejo quantas vezes puder, passar na TV, pretendo comprar o DVD etc etc etc. Star Trek me emocionou diversas vezes como nenhum filme de romance ou algo parecido pode fazer. Na verdade os romances não me emocionam mesmo.
Ver os personagens jovens e a similaridade existente entre os adultos — já nossos velhos conhecidos — ver suas histórias e traços de suas personalidades sendo cuidadosamente mostradas, sem falar no primeiro encontro entre cada um dos futuros grandes e velhos amigos de jornadas futuras, são alguns motivos que me prenderam na cadeira e me emocionavam a cada instante. O cuidado na escolha dos atores também ajudou bastante, muitos extremamente parecidos com o que deveria ser mesmo a versão jovem de cada um — é fácil notar traços físicos semelhantes dos veteranos nos calouros de jornada. Não teria nem como escolher qual seria o melhor destes primeiros encontros. Na verdade até tem sim, seria para mim o encontro entre Kirk e Spock, mas com o velho Spock. O encontro de Kirk com McCoy também é muito bom, percebemos alí, no primeiro instante a forte relação de uma amizade que irá perdurar, sem falar no quanto de hilário é seu personagem.
Por isso é difícil escolher algum, um apenas como alguém com quem me identifiquei mas acho que escolheria Uhura, ou uma mistura de Uhura e Spock, uma mistura bem interessante por sinal.
A minha cena: não poderia ser outra a não ser a que aparece a nave Enterprise pela primeira vez. Nossa!!! Foi linda aquela cena, me emocionou muito, muito mesmo. Coisa de quem viveu a geração Star Trek lá no começo. Mas não posso deixar de citar o encontro dos Spock´s, lindo, surpreendente: “eu não sou nosso pai”. E me permito citar mais uma: quando o velho Spock fala para Kirk: “vida longa e próspera” pela primeira e única vez neste filme — inesquecível.


st2

André: “Excelentes efeitos visuais, porém muito exagerado”
O pior no filme: aquele monstrinho pequenininho era muito forçado • O Melhor: a hora em que o Spock faz o famoso sinal com a mão • Figurino: gostei de todos, pois é um clássico das Jornadas nas Estrelas

Aymê: “A vingança é a última que morre”
O pior no filme: “a parte em que colocaram um bicho no ex-capitão”  •  o melhor: “eu gostei da parte em que o menino começou a dirigir correndo do pai e ter sido perseguido pelo policial. E na parte em que ele deixou cair o carro”  •  melhor figurino: “quando eles usaram o pára-quedas”

Danilo: “Prende a atenção do início ao fim”
O pior no filme: confunde um pouco quem não é familiarizado com a série original • o melhor: bem trabalhado o fato de voltar no tempo • figurino: a roupa do Kirk antes de se alistar.

Deborah: “Vida Longa e Próspera”
Pior: nada • Melhor: relembrar velhos e bons tempos. Enquadramentos fiéis aos filmes antigos. Os olhares entre a tripulação, principalmente Kirk e Spock • Figurino: os figurinos todos são muito bons, mas os uniformes oficiais da tripulação são os melhores

Eduardo: “Para se fazer o necessário não há insensatez” – (fala do pai de Spock)
Pior no filme: algumas partes da interpretação do Capitão Kirk • Melhor: o encontro dos Spock´s e quando aparece a Enterprise • Figurino: do Spock

Guilherme: “Uma crônica sobre as emoções humanas tendo como pano de fundo um mundo de ficção científica”
O Pior no filme: a falta de explicação sobre alguns conceitos (como dobras) pode confundir leigos ou pessoas que não conhecem a história • O Melhor: o fato de os conceitos científicos utilizados não serem incorretos ou contraditórios, pelo menos aparentemente • Figurino: nenhum em especial já que a maioria dos personagens usa uniforme

st3

Juliano: “Explica bem sua `realidade´ (universo)”
Pior no filme: o cabelo de Spock • Melhor: efeitos especiais e introdução dos personagens • Figurino: Kirk, com a roupa preta, pois destoava do resto da tripulação

Madeleine: “Puxa eu não sabia que o universo estava em movimento” – frase de Scott
Pior: falha de projeção • melhor: roteiro (principalmente no excelente equilíbrio entre emoções / construção de personagens x uso de teorias físicas), trila sonora e uso do som • figurino: todos os figurinos colaboraram para a composição dos personagens e da história, mas não gostei de nenhum em especial.

Ricardo Reis: “se o futuro será assim, prefiro viver do passado!”
O pior: o jovem tripulante de 17 anos da Enterprise tem uma voz irritante e enjoativa • melhor: a nave Enterprise • figurino: nenhum.

Thiago: “Siga sua emoção, deixe sua lógica de lado”
O pior: mostrar o principal garoto em uma só cena • Melhor: o efeito da nave hiper rápida • Figurino: a roupa do Spock do futuro, pelos detalhes e por parecer antiga.

Vanessa: “Nunca perca as esperanças. Tente e Lute”
Pior: quando apareceu os monstros em um planeta deserto de gelo • Melhor: Spock quando era criança dentro de uma cápsula fazendo a prova • Figurino: dos Vulcanos.



Sinceramente eu não vi nada de ruim no filme, mas para não citar nada, acho que o filme deveria ter mantido o tema clássico de Jornada nas Estrelas feito para a série por Jerry Goldsmith— realmente senti falta de ouvir isso no momento em que a Enterprise aparece — e você pode ouvir abaixo.


Quanto ao de melhor, acho que já falei bastante: roteiro, composição do início de suas histórias, sem falar nos enquadramentos, travellings, closeds clássicos da série e que se mantiveram no filme.
Figurino fico com o de Uhura, principalmente, e de todos uniformes clássicos de Jornada nas Estrelas.
Ah! também senti falta de ouvir mais vezes o que para mim é a frase do filme:
“Vida Longa e Próspera”


Vamos agora a nossa pergunta criada por conta deste filme: O que você faria se encontrasse com uma versão mais velha — do futuro — de você mesmo?

André: “perguntaria o que eu poderia fazer para ser bem sucedido”

Aymê: “perguntaria para mim mesma de que lugar ela veio e por que nos encontraríamos no presente”

Danilo: “pediria conselhos para não cometer erros em certas ocasiões”

Deborah: “se encontrasse com eu mais nova: daria um longo abraço e olharia bem nos olhos, agradeceria por tudo – se encontrasse com eu mais velha: diria para ser mais leve, pois tudo tem sempre uma razão de ser e o melhor sempre nos acontecerá”

Eduardo: “ficaria horas conversando sobre os grandes momentos da minha vida”

Guilherme: “não faria nada. Se eu encontrasse a minha versão do futuro, não poderia dizer nada que ele já não soubesse. Se eu encontrasse com minha versão do passado, evitaria mudar minha vida presente, porque gosto dela.

Juliano: “perguntaria sobre eventos marcantes”

Madeleine: “diria: você precisa de 2 coisas: tornar suas teorias mais práticas e olhar para os lados de modos diferentes”

Ricardo: “mudaria meu destino, faria tudo diferente”

Thiago: “perguntaria como estou no futuro e no que mais errei para melhorar”

Vanessa: “perguntaria sobre o futuro”

startrek11_02



E eu, se encontrasse comigo mesma mais velha ou vice versa, não faria perguntas, apenas contemplaria esse momento que com certeza seria único e qualquer tipo de questionamento poderia estragar, mudar as “minhas vidas”. Ao olhar para mim mesma, teria certeza dos caminhos que segui (sigo) e das coisas que acreditei (acredito) e sem nenhuma troca de palavras, me despediria de mim mesma por que, só assim, poderia ter certeza que nada na minha vida atual e naquela a minha frente — a vida futura — mudaria, já que acredito que tudo que fazemos, pensamos ou falamos reflete diretamente em nossas vidas futuras e nas dos outros também. Talvez falasse apenas “vida longa e próspera”.

Ah! quanto as fotos deste nosso encontro, assim que o fotógrafo da noite  me mandar eu publico, é que eu ainda não as recebi. 🙂

04
maio
09

Gran Torino

grantorino_01Chegamos ao 20º CINESURPRESA em grande estilo. Um grande filme que emocionou e tocou a todos os participantes, e não participantes também. Acontece que recebi algumas mensagens de amigos que viram esse filme e, quando souberam que ele havia sido o filme deste encontro, trataram de falar o quanto gostaram de Gran Torino.
Gran Torino, de Clint Eastwood, foi o filme da vez neste 20º encontro com a participação de 9 pessoas. Pela primeira vez em um cinesurpresa: Jurandir Pereira Filho e Guilherme Araújo Nascimento que se juntaram a: Deborah Okida, Eddie Santana, Eduardo Ricci, Fábio Machado, Letícia Cheneme, Madeleine Alves e eu.
Todos gostaram do filme e o veriam novamente. A nota geral de Gran Torino foi 9,5 ficando em 3º lugar no nosso ranking (veja o quadro ao lado), ficando atrás apenas de Wall-E (10) e Persépolis (9,6).
Muitos dos assuntos abordados no filme foram temas do nosso bate-papo pós cinema, mas uma das questões foi adicionada ao que todos normalmente respondem em nossa pequena pesquisa feita ao final do filme: Você se mataria por algo ou por alguém? (veja aqui o que os participantes respondem ao final do encontro). A resposta de cada participante a esta pergunta você encontra no final.
Gran Torino me pegou de jeito, de um jeito que poucos filmes me pegam, ou fazem com que eu perca o sono e fique por dias com as imagens e assuntos abordados. Esteticamente perfeito, na minha opinião, nada demais nem de menos. Direção de fotografia primorosa e uma trilha sonora que eu já tinha amado antes mesmo de conhecer o filme — é que vi muito antes um vídeo clipe da trilha sonora. Você pode conhecer a música no vídeo logo abaixo, mas vale a pena mesmo você clicar neste link e ouví-la na voz de Clint Eastwood para somente depois entrar a voz de Jamie Cullum.

Um roteiro que sabe ir prendendo as pessoas aos poucos, tratando de temas sociais importantes passando pelo drama, momentos de comédia, romance, ação, tudo em perfeito equilíbrio e o principal, nos faz pensar, ou deveria fazer com que todas as pessoas pensassem ou repensassem, em seus conceitos, modos de ver, olhar a sociedade e seu próprio modo de ver e viver a vida. Pensar sobre a vida e a morte. Como se vive e como se morre.
Por isso tudo que já falei é fácil saber que em relação a pergunta que sempre fazemos do que foi o pior no filme, a minha resposta seria: nada, nada de ruim de errado, nada falta. Minha nota foi 10. Mas e na visão dos outros participantes o que foi melhor e pior no filme? Qual a nota de cada um? Com quem se indentificou? Qual o melhor figurino?

deborahDeborah – Nota: 10
Pior: sobre o filme (parte técnica) nada, mas sobre a história a questão do preconceito social.
Melhor: os diálogos são muito bons e inteligentes
Personagem: não me identifiquei com nenhum personagem.
Figurino: o figurino tradicional Hmong, mostrado nos trajes chineses de festa e funeral.

eddieEddie – Nota: 8
Pior: a violência e a intolerância da sociedade.
Melhor: os valores humanos mostrados no filme.
Personagem: me identifiquei com Walt (Clint Eastwood) pois era fiel aos seus princípios e soube se adaptar aos novos tempos.
Figurino: nenhum.

edu

Eduardo – Nota: 10
Pior: o preconceito entre etnias.
Melhor: a interpretação de Clint Eastwood.
Personagem: com Walt (Clint Eastwood).
Figurino: de Walt (Clint Eastwood).

fabioFábio – Nota: 9,5
Pior: não vi nada de negativo.
Melhor: roteiro, atuação, trilha sonora, direção…
Personagem: com Thao, por ser um cara meio perdido que vai evoluindo e aprendendo com a vida.
Figurino: nenhum em especial.

guilhermeGuilherme – Nota: 9,0
Pior: a morte previsível de Walt (Clint Eastwood).
Melhor: a mudança no comportamento de Walt (Clint Eastwood).
Personagem: sim, com Walt (Clint Eastwood). Ele fazia aquilo que as pessoas instintivamente querem fazer e dizer.
Figurino: o de Thao. Ele se vestia de maneira simples e isso era condizente com sua personalidade.

jurandirJurandir – Nota: 10
Pior: a covardia da gangue.
Melhor: a mudança, mesmo que tardia e sem volta dos sentimentos do personagem principal.
Personagem: Thao. Não pela  parte de “ser mulherzinha”, mas um cara pacato, tranquilo, as vezes sem a “iniciativa correta”.
Figurino: o dos irmãos indo ao velório, não que seja bonito mas mostra a tradicionalidade da família.

leticiaLetícia – Nota: 10
Pior: a relação entre o pai e seus filhos que mesmo com sua morte não tiveram uma outra forma de ver o pai.
Melhor: a amizade entre Thao e o Walt (Clint Eastwood).
Personagem: com a irmã de Thao, pois ela não se deixa abalar pelo mau humor de Walt (Clint Eastwood) e tornou-se sua amiga.
Figurino: não respondeu.

mad1Madeleine – Nota: 9,0
Pior: a projeção
Melhor: os diálogos (que, por muitas vezes, a legendagem não conseguiu alcançar, apesar de sua excelência), a atuação de Clint Eastwood e o uso da trilha sonora nos momentos certeiros.
Personagem: com ninguém.
Figurino: os figurinos típicos Hmong, pois representam a resistência de uma cultura mesmo diante de um outro contexto social.

okidaMárcia Okida: me identifiquei com o filme todo, não apenas com uma personagem.
Como não se identificar com Walt e a sua força, luta e coragem de ir contra suas opiniões antigas e, com isso lutar, contra preconceitos e desigualdades sociais?
Como não se identificar com a irmã de Thao, Sue, que mesmo sendo vista e tratada como minoria em seu bairro, lutava pelo que acreditava e contra o preconceito racial?
Como não se identificar com Thao que ao descobrir a amizade verdadeira de Walt, muda, cresce, luta pelo que acredita?


Como não se identificar com os chineses Hmong
que mantêm suas tradições milenares e união familiar?
Como não se identificar até com um carro, o Gran Torino, que mesmo depois dos avanços da indústria automobilística permanece, resiste graças a dedicação de um homem?
Muito particularmente me vi na cena da leitura do testamento onde um carro era o maior objeto de desejo dos vivos, mas não pelo valor emocional mas pelo valor financeiro. Triste como as pessoas esquecem do que é realmente importante na vida e na morte.
Quanto ao figurino fico com a opinião de alguns: com as roupas tradicionais da aldeia Hmong na China.

gt1

Uma frase e uma cena:

Deborah: “valores e sentimentos todos nós temos. Só precisamos despir as máscaras, abrir o coração e deixar a alma falar”  cena dos irmãos descendo a escada da entrada da casa com os trajes para a cerimônia fúnebre e a última cena de Thao no carro pela orla e a música trilha do filme ao fundo.

Eddie: “um filme humano e atual”  a cena de quando Walt vai ao barbeiro com Thao.

Eduardo: “a vida é feita de escolhas” (fala de Walt)  cena da viagem de Thao com a Daisy com o Gran Torino.

Fábio: “saia do meu gramado” (fala de Walt)  cena da morte de Walt.

Guilherme: “quando dois comportamentos opostos de encontram, ambos se modificam”  cena da primeira vez em que Walt argumenta com o padre, porque mostra características interiores do personagem.

Jurandir: “o poder que uma amizade sincera pode exercer em uma pessoa”  a cena em que ele prende o garoto no porão, para protegê-lo, demonstrando uma preocupação pelo mesmo.

Letícia: quando o personagem Walt diz que apesar de tudo eles não teriam chance  cena da morte de Walt.

Madeleine: “individualmente sociável, é muitas vezes por meio do reflexo de outros que conhecemos um prisma de um ser — ainda que esses reflexos sejam longinquamente próximos”  a cena da morte de Walt, pois nela revela-se não só a perspicácia dele, mas a libertação de sua culpa bélica.

gt21

Como disse acima o filme nos fez pensar sobre a seguinte questão: Você se mataria por algo ou por alguém?

Deborah: não morreria por uma causa ou pessoa, pois acredito que sempre há saídas para qualquer situação.

Eddie: morreria pelos meus filhos.

Eduardo: pela humanidade

Fábio: talvez, dependendo da situação. No caso do filme o personagem escolheu “o menor dos males” (ser assassinado ou morrer pela doença)

Guilherme: me mataria apenas para salvar a vida de mais de uma pessoa. Seria como evitar um prejuízo para a humanidade. Mas não posso negar que ficaria receoso por uma morte lenta, preferia morrer rapidamente.

Jurandir: tudo depende da ocasião, mas acho que só pelos meus pais.

Letícia: se eu achasse que valeria a pena, morreria por uma causa.

Madeleine: Não, ainda não tenho esse grau de desprendimento

gt3

E você se mataria por algo ou por alguém? Dê sua opinião.

Eu, bem, penso como minha irmã, a Deborah, falou acima, mas acho que se tivesse filhos em uma situação de escolha morreria por eles. Talvez seria capaz de cometer atos por impulso, impensados, que me levassem a morte, para salvar a vida de alguém de minha família ou de alguém que goste muito, porque pensando racionalmente, sou como a Madeleine, não tenho esse grau de desprendimento.
Minha cena: uma das cenas do final, Walt em um momento de decisão, senta em sua velha cadeira de sua sala e pensa, no escuro. A luz da janela entra e recorta a escuridão e ele sentado nesta cadeira. Perfeita.
Minha frase: encerro com o que disse um pouco mais acima
Triste como as pessoas esquecem do que é realmente importante na vida e na morte. Gran Torino nos faz pensar sobre elas.

27
mar
09

MILK: eu vim convocar vocês

cartaz11

Ainda respirando o Oscar 2009 o 19º CINESURPRESA que foi no Espaço Unibanco teve como opções dois filmes que possuíam indicações para o Oscar: O Casamento de Rachel e MILK. Milk – A Voz da Igualdade foi escolhido por unanimidade pelos 9 integrantes da noite que deram uma nota média de 8,6 para o filme fazendo com ele ficasse empatado em nosso ranking com o filme Piaf em 6 lugar (veja nosso ranking na coluna da direita) . Das 9 pessoas todas gostaram do filme mas, uma disse que não o veria novamente. Veja o vídeo deste nosso encontro no final deste post ou clicando aqui.

MILK é baseado em fatos reais, em tristes fatos reais, que mostram abertamente o lado preconceituoso da sociedade e das pessoas. Preconceito este, no caso do filme, pelos homossexuais, mas que em vários momentos deixa claro o que também existe em relação aos negros, deficientes, asiáticos, judeus etc.
Adorei o filme! Não conhecia a história de Harvey Milk e nem destes acontecimentos. Saí de lá realmente chocada com a possibilidade, real, de um dia alguém ter proposto uma lei dizendo que o homossexualismo seria ilegal, que todos os homossexuais deveriam ser despedidos e menosprezados e tudo isso com o aval da lei. O pior é  saber que em algumas instâncias essa lei foi aprovada. Foi contra isso que Harvey Milk lutou contra este tipo de preconceito.


milk-1


Esse filme fez como que eu colocasse uma questão a mais para os participantes: Como você vê o preconceito contra os homossexuais hoje? Ainda existe? É forte? Mais ameno? Encerrarei este texto com estas respostas.
Acredito que não tenha no meu círculo de amigos pessoas com esse pensamento pequeno e se tiver, sem saber, sinto vergonha por elas, por existirem pessoas assim com tantos preconceitos contra homossexuais, nordestinos, pobres, negros, deficientes, judeus, asiáticos etc e até contra mulheres (já fui vítima de alguns preconceitos por este motivo).
Bem, vamos o filme. Milk começa mesclando fatos reais sobre os acontecimentos da época e sobre a sua morte. Isso continua em vários momentos do filme, o que faz com que a carga de realidade seja mais forte e tudo choque mais. Quem conta a história é o próprio Harvey Milk através de uma gravação — que ele realmente fez e você poderá ouvir a original aqui.


turmamilk
Nosso grupo era composto por: André Hermes, André Leite, Caio, Durval Moretto, Fabio Machado, Glauce Guimarães, Ricardo Reis, Victor Martim e eu, Márcia Okida.

O Melhor e o Pior em MILK
O Pior

André Hermes: mostou pouco sobre o quanto a igreja alertava sobre a discriminação • André Leite: o ritmo oscilante do filme • Caio: ausência total das mulheres na causa gay, apesar de aparecer uma para ser militante de MIlk • Durval: o recalque leva as pessoas a cometerem loucuras • Fabio: o excesso de drama em vários momentos • Glauce: o ritmo do filme muito lento • Ricardo: nada • Victor: o abuso dos clichês gays em alguns momentos.

O Melhor

André Hermes: foi a representação das pessoas apoiando e deixando de se esconder • André Leite: a atuação de Sean Penn, impecável. • Caio: quando mostra no filme o poder de estruturação de um movimento gay. Quando conseguem chamar a atenção e conquistar a  sociedade • Durval: a união é capaz de modificar a vida das pessoas para melhor • Fabio: interpretação dos atores, Sean Penn, Josh Brolin e James Franco. Trilha Sonora • Glauce: a vitória do movimento gay depois de várias tentativas, alcançaram o objetivo • Ricardo: o filme todo! • Victor: sem dúvidas: o tema abordado.

milk-2

Eu realmente gostei muito do filme, não vejo defeitos. Gostei do ritmo, da proposta enfatizaria, tecnicamente falando, a direção de arte, figurinos e trilha sonora. E sem ser pelo lado técnico é sempre bom ver um filme que aborde qualquer tipo de preconceito para que, quem sabe um dia, eles acabem definitivamente.

Você se identificou com algum personagem?

André Hermes: com o primeiro namorado do Milk pois é uma pessoa que apóia os movimentos mas não toma a liderança • André Leite: sim, com o prefeito por ter a mente aberta a novas possibilidades • Caio: sim, com o prefeito de São Francisco, um dos poucos personagens heterossexuais que não demonstrou ser homofóbico. Em momentos usou seu poder de influência a favor do movimento gay • Durval: com Milk • Fabio: nenhum em especial • Glauce: não • Ricardo: com Harvey Milk, pela coragem, o fio condutor da vida, a esperança de igualdade também foi a sua morte • Victor: não.

Qual o melhor figurino na sua opinião?

André Hermes: quase todos os figurinos se identificam muito com os personagens, mostra como os gays assumidos se vestiam • André Leite: nenhum não gosta da moda dos anos 70 • Caio: o traje hippie na primeira aparição do personagem de James Franco • Durval: do assassino, sempre com roupas sóbrias e formais • Fabio: gostei do figurino no geral fiel a atmosfera da época • Glauce: do Harvey… básico, camiseta e cala jeans • Ricardo: camiseta do 1º namorado de Milk, bem justinha • Victor: gostei de todos muito adequados à época em que o filme passa.

milk-3

Bem eu me identifiquei com Milk, firme em seu propósito, em sua luta por aquilo em que acreditava, teimoso até o fim… e pelo desprezo que ele sentia por qualquer tipo de preconceitos.
Figurino? O conjunto é perfeito, já disse acima que acho um dos pontos positivos do filme mas gosto da passagem de estilo do figurino de Harvey Milk desde antes de sua entrada na política até seu novo make-up para a sua luta em busca de votos.

Uma frase sobre o filme e uma cena

André Hermes: necessário todos assistirem para diminuir o preconceito atual • cena: cena em que Milk leva a multidão para caminhar pelas ruas.
André Leite: não importa a idade, basta você acreditar e lutar pelo que acredita • cena: quando um garota entrega um panfleto para Milk e está escrito “união e esperança”.
Caio: peço a todos os homossexuais que saiam do armário • cena: cenas de passeatas e marchas de protestos
Durval: “eu vim convocar vocês” • cena: a cena do assassinato, uma metáfora sobre a Tosca
Fabio: a esperança supera preconceitos e manobras políticas • cena: a morte de Harvey Milk.
Glauce: tenham esperança… • cena: todas com a atuação do Sean Peen, estão perfeitas.
Ricardo: esperança para a minoria! • cena: todas!!!
Victor: ótimo filme com temática interessante • cena: a cena da passeata, da luta em defesa das minorias

Minha frase: “Dar ouvidos à preconceitos é renunciar à liberdade.”
Minha cena? difícil são muitas que me chamaram a atenção. Como designer gosto de todos que mostram cartazes e panfletos mas principalmente quando ele fez seu primeiro “discurso” pegando uma caixa de sabão e a usando como palanque. Como pessoa fiquei extremamente tocada com a beleza e simplicidade da cena de sua morte e a passeata final com aquelas milhares de velas a cena do filme se fundindo com a real.

Abaixo atores do filme ao lado das pessoas que eles representaram

personagensreais

Sobre a pergunta do início motivada pelo filme:

Como você vê o preconceito contra os homossexuais hoje? Ainda existe? É forte? Mais ameno? o que nossos participantes surpresas pensam disso? Deixa aqui também a sua opinião.

André Hermes: Hoje ainda existe preconceito mas ele é muito mascarado, pois hoje tem leis que protegem. Mas hoje esse preconceito é bem menos que na década de 70.
André Leite: entre os anos 70 e 90, o preconceito pode ter diminuído, mas ainda é latente em nossa sociedade.
Caio: Os gays ainda sofrem discriminação sim. São vistos como doentes, errados no que são. Mas isso nos dias de hoje não é tão forte como na época do filme (década de 70)
Durval: Sim, ainda existe preconceito contra os homossexuais, embora tenham conquistado seu espaço.
Fabio: Sem dúvidas houveram avanços significativos, mas o preconceito ainda persiste em diversos segmentos da sociedade.
Glauce: O preconceito existe tanto para os gays, negros… mas, com muitas evoluções, pois, em 1978 não tinham espaço para discutir o assunto.
Ricardo: Infelizmente ele ainda existe! Quem sabe daqui há uns 20 anos não exista mais.
Victor: Atualmente o preconceito existe sim por parte da sociedade mundial. Aos poucos porém, os homossexuais vêm ganhando seu espaço.

milk-4

A minha opinião é todo e qualquer tipo de preconceito é burro, é fruto da ignorância da pobreza de espírito. Sendo preconceituosos perdemos a chance de conhecer novas idéias, culturas e pessoas. Deixamos de crescer, de evoluir. Nos tornamos mais pobres, mesquinhos, nos tornamos menos, sempre menos em tudo que temos em nosso corpo e alma, daí as guerras, os assassinatos, os atos absurdos como queimar índios, surrar homossexuais, bater em mulheres etc.  Infelizmente o preconceito existe em várias áreas e acho que o mundo, as pessoas, ainda precisam evoluir muito para que isso acabe. E se um dia acabar, tenho certeza de como Márcia Okida não estarei aqui neste mundo para ver e ficar feliz com isso, quem sabe em alguma reencarnação futura.

E você?  O que acha do preconceito de qualquer tipo? Escreva para gente clicando aqui

cartaz2Um pouco mais de MILK, agora um pouco de Design. Escrevi um artigo para uma revista de design sobre os créditos de aberturas, encerramentos e suas tipografias, dos filmes que concorriam ao Oscar 2009. MILK tem um conjunto tipográfico muito bom, desde sua abertura até os panfletos políticos que eles fez e distribuiu em sua campanha. Quer ler sobre o que escrevi da tipografia de MILK clique aqui e se quiser ler sobre as todas as aberturas de todos os filmes, aqui. Sem falar no cartaz. Gosto mais deste do que o que abre este artigo. Mas, gosto da metade para cima. A parte debaixo está poluída demais com muitos créditos quase ilegíveis por estarem esticados, sem falar que ocupam muito da imagem tirando a força do restante do seu corpo. A presença do azul é sempre marcante mesmo no cartaz branco, já que é a cor de sua campanha e tem tudo a ver com a proposta da busca pela igualdade. Letras retas, fálicas, marcantes totalmente condizentes com a personalidade de Harvey Milk.




PRÓXIMO ENCONTRO: estamos de férias, leia ao lado.
CINESURPRESA: um encontro - uma surpresa - um filme - uma conversa

Como são dadas as opiniões?

Quer saber como os participantes dão suas opiniões? Como são os papos depois do filme?clique aqui

mais clicados

  • Nenhum
PARA SE JUNTAR A NÓS todo 2º domingo do mês você pode se encontrar com a gente da Associação Cultural Vontade de Ver e assistir um filme escolhido na hora (daí o nome cinesurpresa) em um dos cinemas de Santos. Depois, sempre rola uma pizza, um bom papo e tudo isso vem para cá. Encontre-se com a gente em um destes domingos e esteja aqui no nosso blog no próximo mês! Verifique o horário e o cinema do mês no link clicando aqui e, se quiser, Deixe uma mensagem
COMEMORAÇÃO DO 1º ANIVERSÁRIO DO CINESURPRESA, leia sobre este nosso encontro no texto sobre o filme Depois da Vida clicando aqui

para ver

Slide Show Era do Gelo 3

Slide Show A Mulher Invisível

para ouvir

Leia nosso blog ouvindo a TRILHA SONORA DE OS DESAFINADOS

Escute aqui na Rádio UOL Indique uma trilha sonora para a gente

ranking surpresa

1º lugar: 10,0 - Wall-e

2º lugar: 9,6 - Persépolis

3º lugar: 9,0 - A Duquesa

4º lugar: 9,0 - Tropa de Elite e Ultimato Bourne

5º lugar: 8,9 - StarTrek

6º lugar: 8,8 - A Troca

7º lugar: 8,6 - Era do gelo 3, Piaf e MILK

8º lugar - 8,3 - Meu Nome não é Johnny

9º lugar: 8,2 - Depois da Vida

10º lugar: 8,1 - Mulher Invisível

11º lugar: 7,8 - Chega de Saudade e HairSpray

12º lugar: 7,5 - Onde os Fracos não tem Vez

13º lugar: 7,4 - Os Desafinados

14º lugar: 7,2 - Jogos do Poder

15º lugar: 7,0 - Duro de Matar

16º lugar: 6,8 - 007 Quantum os Solace

17º lugar: 6,4 - Fim dos Tempos

18º lugar: 6,3 - Foi Apenas um Sonho

19º lugar: 5,6 - A Guerra dos Rocha

Conheça a gente

Madeleine Alves

Márcia Okida

Já estiveram aqui

  • 49,974 cinéfilos

participe, conheça e ajude a melhorar o mundo em que vive

outubro 2017
S T Q Q S S D
« jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031